Grandes pandemias (da Peste Negra ao Coronavírus) foram tangidas por outras catástrofes naturais. Escrito num período atravessado pelos desastres ecológicos de Mariana e Brumadinho, a ascensão da extrema-direita dentro e fora do Brasil, o incêndio do Museu Nacional e da Igreja de Notre Dame, o recorde de incêndios na Amazônia e por queimadas de grandes proporções na Califórnia, Austrália, Indonésia, Sibéria e África Subsaariana, este livro de Marcelo Reis de Mello é atravessado pelo signo do fogo. Neste mundo consumido pelo incêndio que anuncia as pragas (piração da história), onde palavras são cinzas a serem sopradas, é preciso dizer a palavra que nasce da sua própria impossibilidade. Se pararmos de dizer, o próprio silêncio cessará. Nos poemas de José mergulha para sempre na piscina azul, o presente desastroso vai ao encontro das Pages brulées[Páginas queimadas], de Edmond Jabès, onde o poeta escreve: “como ler uma página já queimada num livro que arde, a não ser recorrendo à memória do fogo?”
 
***
 
sua capa foi impressa em serigrafia (técnica manual) sobre papel Color Plus Porto Seguro 240g e é composta por tipografia idealizada pela designer Luiza Arché a partir da família tipográfica Chaparral.

josé mergulha para sempre na piscina azul | marcelo reis de mello

REF: 9788559860283
R$ 40,00Preço

    (21) 3549-6040 | garupacontato@gmail.com

    Rua Teotônio Regadas, 26 – sala 402 | Lapa, Rio de Janeiro

    CEP 20021-360

    • Branca ícone do YouTube