em pré-venda

entregas a partir de  06/novembro

 

***

 

livro experiências sobre editar um corpo + cartaz A3 impresso frente e verso em risografia

 

***

 

Experiências sobre editar um corpo, de Letícia Féres (poemas) e Laura Daviña (ilustrações e projeto gráfico), apresenta um paralelo entre o processo histórico de edição dos corpos humanos e os processos característicos da edição de um livro. O que evidencia a própria natureza editável dos corpos – tantas vezes ocultada pelo senso comum e sua metralhadora de normatividade – e também os elementos utilizados na construção do objeto livro.

Para deixar claro que um livro é um objeto construído – um constructo, que diz em si mesmo mais do que apenas seu conteúdo escrito ­–, e que também os corpos são construídos coletiva e individualmente, o livro usa diversas estratégias antirreducionistas. E, entre elas, merece destaque sua aversão aos rótulos. 

Letícia Féres traz a experiência individual na construção de seu próprio corpo, ultrapassando o simples relato, e complexifica a discussão sobre gênero e sexualidade, tão cara ao nosso tempo. Ela convoca os corpos desviantes – sejam eles quais forem – a observar os processos de edição que lhe foram socialmente impostos, mas também a observar que eles podem e devem ser os editores de si mesmos – o que não significa moldar-se para caber nesta ou naquela identificação. 

O livro fala do “corpo como espaço de construção biopolítica, como lugar de opressão, mas também como centro de resistência”, como Marie-Hélène Bourcier escreve no prefácio do Manifesto contrassexual, de Paul Preciado. E também amplia a discussão, porque falar de gênero implica falar de questões de saúde mental, de educação, de relacionamento. 

Laura Daviña, que criou uma tipografia própria para o projeto, também discute a potência dos entre-lugares. Seus desenhos ficam entre o figurativo e o abstrato, sugerindo corpos em formação, deformados ou contra a forma. Eles mesmos são corpos em movimento, em processo. Os traços são borrados, vazam de si mesmos, e parecem sugerir – em vez de linhas rígidas – limiares, lugares de toque entre o dentro e o fora. 

O livro foi composto com caracteres transformados pelo contato e sobreposição de diferentes tipos monoespaçados – aqueles que se usam nas máquinas de escrever. A família “Quem”, usada junto com a fonte “Whois” e a “Compagnon”, foi criada especificamente para o projeto e está disponível para download sob licença livre em: <www.lapubli.online/quem>.

Além disso, o livro continua vivo e vulnerável à experiência, para ser recomposto e reconfigurado no espaço virtual criado para experimentação colaborativa em: <www.lapubli.online/experiencias>. Nesse link, os leitores e as leitoras podem operar colaborativamente mudanças no arquivo e, juntos, editarem essas “experiências”. 

Além da questão sobre gênero propriamente, algumas perguntas pairam sobre o livro: “o que é um corpo?”, “o que é editar?”, “o que é escrever?”. E não se respondem. Isso evidencia a complexidade da própria vida de Letícia Féres (e de tantos outros e outras), que veio se editando e sofrendo tentativas de edições ao longo da vida; que aceitou edições, rejeitou outras, mas que decidiu lidar de uma outra forma com todas essas intervenções, para ser autora do próprio corpo-livro. Para ela, esse processo de autoria do corpo ocorreu como em um processo de descoberta da própria escrita, no qual foi preciso – e é preciso, sempre um processo – encontrar a própria voz. É algo que demanda mais perguntas do que respostas. É algo aberto. Por isso também, e porque são experiências, esse lançamento é um livro aberto. 

Letícia e Laura nos colocam diante de potencialidades da arte comumente lidas como antagônicas: a capacidade de se posicionar e questionar o estatuto sociopolítico de uma época – o que, geralmente, dá ao artista ou ao objeto de arte a alcunha de militante ou politizado – e a capacidade de tensionar suas características formais próprias, pensando-se enquanto se faz – o que geralmente aciona as noções um tanto gastas de formalismo e autonomia. Felizmente, o livro não opera nessa dicotomia, recusa-a.

Experiências sobre editar um corpo conta com texto de orelha da fotógrafa Dri Galuppo e posfácio da ativista Bhuvi Libanio. Pode ser vir acompanhado de pôster impresso em risografia, desenhado por Laura Daviña, ou avulso.

 

***

 

Letícia Féres (Muriaé/MG, 1979) trabalha como editora, em publicações comerciais e experimentais. É autora do livro e outros poemas (Urutau, 2018), finalista do Prêmio Rio de Literatura 2019, e das plaquetes [há o desastre que não nos olha] (kza1, 2018), Como vai ser este verão, querida? (Coleção Leve Um Livro, 2016) e Da estranheza das coisas/De la extrañeza de las cosas (Projeto Pliegues Despliegues, 2009). Alguns de seus poemas integram coletâneas, como Resistência dos vaga-lumes: antologia brasileira de escritores LGBTQI+ (Nós, 2019), e revistas, como Olympio e Garupa. Email: leticiaferes@gmail.com

 

***

 

Laura Daviña (São Paulo/SP, 1982) é designer e editora de arte. Mantém sua prática e pesquisa gráfica voltada para a interseção com artes visuais. É autora dos livros de artista Canteiro (Livros Fantasma, 2017) e Espiráculo (Edições Aurora, 2015). Foi gestora do espaço autônomo .Aurora e cofundadora e editora de arte da Edições Aurora. Desde 2015 coordena o projeto Publication Studio São Paulo, onde publica livros, pesquisa a publicação autônoma e desenvolve oficinas para criações coletivas a partir da experimentação gráfica. Email: oi@lauradavina.com

 

 

experiências + pôster | letícia féres e laura daviña

R$ 45,00Preço

    garupacontato@gmail.com

    Rua Teotônio Regadas, 26 – sala 402 | Lapa, Rio de Janeiro

    CEP 20021-360

    • Branca ícone do YouTube